Manifestação e greve contra a Reforma da Previdência em Itiruçu

15 de mar de 2017
Itiruçu servidores da Educação, da Saúde, pessoas da comunidade e autoridades políticas e trabalhadores num geral participaram de uma passeata contra a reforma da previdência. O evento começou na Praça Gilberto Scaldaferri, e percorreu várias ruas e o centro da cidade.




Os manifestantes entoavam consignas de “Fora Temer” e Não a Reforma da Previdência”.  Eles ainda transmitiam informações sobre  o por que que a reforma não poderia atacar o trabalhador e sim aos sonegadores da previdência. Também portavam cartazes e apitos e um veículo sonoro para chamarem atenção da pessoas. A senhora Janete, presidenta da APLB-Sindicato Polo de Itiruçu discursou juntamente com demais professores e membros dos Agentes Comunitários e de Endemias sobre as perdas que sofrerão os trabalhadores com a reforma. Os manifestantes também advertiam que os parlamentares que votarem pela reforma sofrerão retaliação eleitoral nas eleições de 2018. As escolas da rede municipal e estadual aderiram à greve nacional da educação que durará 10 dias. Entre as autoridades políticas estavam o vereador João Mota (Nino PCdoB), Paulo Ézio (Paulinho PSB) e o vice prefeito da cidade, Junior Petrúqui (PSD). Além de Itiruçu, em todos os municípios da região houve adesão a greve por parte da educação e protestos também deverão acontecer.


A Reforma da Previdência é a PEC 287 que está na Câmara Federal, de autoria do Governo de Michel Temer (PMDB) e prevê regras iguais para homens e mulheres, tanto para o serviço público quanto para o privado, idade mínima de 65 anos para aposentadoria e exigência de 25 anos de contribuição, tempo que pode chegar a 49 anos para acesso ao benefício integral. Segundo o secretário de Previdência, Marcelo Caetano, a única categoria que não será afetada pela PEC será o Exército. A reforma também iguala a  idade e exige 25 anos de contribuição para o trabalhador, que no caso de homem e mulher terão que trabalhar pagar 25 ao INSS e só se aposentará com 65 anos. Diante da reação popular, muitos deputados e senadores da base do Governo Temer, temendo não se elegerem estão “pulando do barco”, e a Reforma que ameaça deformar os direitos conquistados, poderá ser reajustada para uma forma mais suave ou até mesmo ser inviabilizada.

Reportagem: Ed Santos

0 comentários:

Postar um comentário

Agradecemos imensamente seu comentário, pedimos que tenham cuidado com ofensas e críticas aleatórias, desde já agradecemos.

 
Início | Musa do Diário | Horário dos Ônibus | Contato
Copyright © Diário do Entroncamento
Design by Diario Publicidades | Tecnologia do Blogger *IMAGEM DO SMARTPHONE ILUSTRATIVA, MODELO E MARCA A DEFINIR.
    Facebook Google + YouTube